Montalcino – o melhor vinho

“Para conseguir o vinho da melhor qualidade, comece pelas uvas de melhor qualidade. Isso significa os vinhedos mais saudáveis e trabalhar com a natureza e não contra ela.”  Isso é o que diz  uma  jovem temperamental quando conversa sobre seus vinhos, mas tem um sorriso que ilumina, como um raio de sol da Toscana, a escuridão da adega em Fonterenza.

A adega  fabrica o Brunello di Montalcino. No mundo do vinho tinto italiano, a bebida tem toque de classe: trata-se de um dos vinhos mais cobiçadose caro da Toscana. E entre os produtores do Brunello de Montalcino essa adega comandada por duas mulheres é excepcional , não apenas porque são mulheres jovens em uma indústria dominada por homens mais velhos; não apenas porque não sabiam “nada sobre fabricação de vinho” quando começaram, há dez anos; mas porque estão produzindo o líquido com uvas cultivadas biodinamicamente (espécie de padrão superorgânico) – a mesma técnica empregada na produção de azeite de oliva da dupla.

A vinícola  Campi di Fonterenza, fica no fim de um caminho empoeirado que segue sinuoso em meio às matas densas de um dos de Montalcino, bela vila no alto de uma colina onde tudo gira em torno da preciosa bebida. Fileiras de parreiras impecavelmente arrumadas se estendem até as portas das casas. Você pode ver onde o vinho é feito nas vinícolas do interior, e degustá-lo prazerosamente em bares como o Campi di Fonterenza, Fiaschetteria e fortalezza – ou ainda comprá-lo em enotecas espalhadas pela região, como a Pierangioli, a Bruno Dalmazio e a Di Piazza.

A Brunello, em si, é uma imitação específica e local de uma uva toscana clássica, a Sangiovese. Seus métodos de produção são rígidos – nenhum Brunello chega ao mercado com menos de quatro anos de idade, embora haja o mais leve e mais frutuoso Rosso di Montalcino, para consumidores jovens e com menos dinheiro.

Muitas vinícolas boas, inclusive a Fonterenza , oferecem programas de degustação. E se o espírito precisar se renovar depois explorar os prazeres dos vinhos, os monges da bela abadia romanesca de Sant’Antimo – perto de Sant’Angelo in colle, a poucos quilômetros de montalcino – encoam canto gregoriano em suas cerimônias.

Informações relevantes :

O escritório de turismo tem mapas, listas de vinhedos e pode ajudá-lo a reservar hotéis ou entre em contato conosco contato@vetebrasil.com.br

Onde comer :

A decoração pode ser básica na Osteria Porta al Cassero – mesas com tampo de mármore, piso de pedra e paredes brancas – mas o sabor da comida é inconfundível. A casa celebra a culinária toscana clássica: pici com Le briciolie (espaguete caseiro com croutons), panzanella (salada de pão e tomate) e scottiglia de cinghiale com fagioli all’uccelleto (cozido de javali com feijão). A osteria tem ampla oferta de vinhos Brunello e Rosso de primeira qualidade (via Ricasoli, 32)

Relacionados

Compartilhe: